foi adicionado ao seu carrinho de compras.

Carrinho

Talvez já tenha se perguntado (ou não) porque é que veio parar aqui e o que te trouxe até o Círculo. Com certeza, em algum momento você entrou em contato com um conhecimento e essa verdade te transformou. Provavelmente antes disso, buscou respostas para a sua vida e o significado dela em escolas, igrejas, centros, meditações…E, em determinado ponto, a nossa proposta ressoou e fez sentido para você.

Com o passar do tempo, foi possível perceber o óbvio por trás dos bastidores da vida: a história que nos contaram não faz sentido. Tem muita coisa “por trás” do que estudamos nos livros, muita coisa que a ciência não explora porque não casa com os padrões há muito estabelecidos e vemos tudo isso ruir em nossa frente, justamente por notarmos um caminho diferente, por estarmos dispostos a recomeçar essa jornada, ressignificando as perspectivas de vida após a morte.

Não basta só acessar essa verdade, é preciso estar aberto à transformação que ela vai gerar. E, como qualquer outra mudança, esse não é um processo trivial. Mudar dói, é incômodo e pressupõe uma ação, uma ou várias tomadas de decisão. Depois que você se permite, que se dispõe a fazer diferente, experimenta sensações nunca antes vividas.

Não é apenas sobre perder o medo da morte e da vida, mas sim de ter a alegria e a felicidade em viver, em ressignificar as suas atitudes e pensamentos, assumir quem somos e o que queremos com muita clareza de sentimento. É sentir.

Por todo esse caminhar de aprendizado, por já ter passado por esse processo é que hoje você está pronto para acessar o conteúdo que disponibilizamos no Círculo. Pessoas que ainda não trilharam essa jornada e não conectaram com a egrégora podem se assustar, não dar conta e achar que estamos vivendo num mundo imaginário. Por isso, repetimos várias vezes que o que acontece no Círculo deve permanecer no Círculo.

Longe de nós querer bloquear o conhecimento transmitido, como se fosse uma espécie de seita. O objetivo não é esse. Você pode sim, comentar sobre a transformação que acontece na sua vida e disseminar a nossa plataforma. O que estamos destacando aqui é a responsabilidade sobre o conhecimento acessado. Por mais que não pareça, tratamos de conteúdos extremamente significativos e densos e tudo o que podemos fazer é provocar as pessoas a pensarem.

É muito interessante ver o crescimento da plataforma, ver mais e mais pessoas comprometidas com a reforma íntima e com o projeto de transição planetária. A cada dia que passa, entendemos um pouquinho sobre a nossa missão enquanto grupo: trazer conhecimento, porque ele gera um movimento de reforma com expressão externa de transformação.

A mediunidade é, por sua vez, a chave desse processo de transformação planetária. O desenvolvimento das habilidade de contato e percepção das outras realidades é fundamental para a transição. É onde acontece o intercâmbio entre as dimensões: esse é o dínamo da mudança. Nós entramos no movimento quando nos conectamos.

“A mediunidade é o selo da transição planetária.”

Uma das nossas propostas é despertar as habilidades parapsicológicas em nossos membros, mas não só. Queremos ir além. O que nos interessa é o intercâmbio e o acesso a outras dimensões que o desenvolvimento dessas habilidades vai nos proporcionar. Interessa-nos, sobretudo, a experiência dessa realidade.

E deixe de lado qualquer preconceito que você possa ter, mas quando o fenômeno parapsicológico vem associado desse intercâmbio de realidades, ele fica mediúnico e essa é a cereja do bolo (ou o brigadeiro. Sejamos justos, cereja nem é tão boa assim – risos).

A nossa vivência com essa realidade mediúnica deve ser cada vez mais forte, mais intensa e provavelmente nós seremos as pessoas chamadas a dar o testemunho sobre essas experiências. Serão várias as oportunidades que surgirão para fazer da nossa fala um propagador do movimento.

Entenda: você é protagonista e agente da transição planetária.

Não precisa se assustar com o tamanho da missão. Pode ter certeza de que em alguma esfera, em alguma realidade, assim como nós, você escolheu participar desse processo e ser um ventilador de ideias, ser um propagador da transição planetária. Claro que isso não significa que vai sair por aí com a “Bíblia da Transição”, parar numa esquina e pregar sobre a causa. É a sua reforma íntima, a sua transformação pessoal que vai transformar. Aquele velho ditado nunca esteve tão certo: “seja a mudança que você quer ver no mundo”.

Toda a experiência com a verdade é uma experiência do amor. Nós vamos fazer uma revolução silenciosa, baseada no amor, porque é ele que reverbera, que é sentido. É uma revolução baseada no sentir.

O influxo do amor é capaz de produzir felicidade e isso não tem nem como explicar. Essa felicidade poderá ser percebida onde quer que você vá, onde quer que você esteja. É essa felicidade que você vai emanar. Vocês serão embaixadores dessa verdade, desse amor, do Círculo.

Que comece a sua transformação, com profunda felicidade!

Referência:

Documentário: Quem somos nós? https://www.youtube.com/watch?v=EJIYrIWJ76o

Provocações para o Pequeno Círculo

  • Como você entende o seu papel na transformação planetária?
  • O que você entende como sendo a sua missão do Círculo?
  • Está preparado para ser um propagador da transição?
  • Vamos lá?
Redação

Quem escreveu Redação

Mais posts de Redação

Participe da discussão sobre esta aula 2 Comentários

  • mcruzlima2004 disse:

    Concordo com você, Iasmine, ou seja, a sacada está no SER no mundo aquilo que reconhecemos como verdade dos conceitos e da substância de tudo aquilo que estamos tendo contato neste vasto material colocado aqui a nossa disposição.
    Sua explanação vai ao encontro daquilo que comentei em nosso pequeno círculo, formado em nosso encontro presencial, quando comentávamos sobre compartilhar com outras pessoas tudo isto, então disse que não seria sobre um caixote na Praça da Sé pregando, mas sim no cotidiano, onde quer que estivesse, desde uma fila qualquer, com um colega de trabalho, com um familiar, e sempre utilizando a plena atenção com o outro para captar no olhar, na postura corporal do interlocutor se aquele assunto interessa a ele, e muitos de nós já presenciou isto, quando ao mencionar uma vírgula que seja do assunto percebe um brilho no olhar, uma postura mais atenta, e ai funciona como quando entramos no mar de uma praia que desconhecemos, ou numa trilha íngreme sobre as pedras, em que o fazemos com atenção e cautela para não nos acidentarmos, nem ferirmos aquele que nos acompanha, e assim vamos descobrindo pessoas interessadas ou formando um novo interesse, uma nova maneira de olhar o mundo ilusório, a matrix na qual estamos todos inseridos. Uns estão sonâmbulos, vivendo no automático, outros despertos e alguns tantos a beira do despertar, e são estes dois últimos aqueles para os quais devemos estar atentos, utilizando de prudência e moderação, até por respeito ao processo de nosso interlocutor, e possamos assim nos manifestar. A Prudência na observação de seu entendimento, e a Moderação pois há muitas formas de expressar o conhecimento. Daí me aproprio da fala do Juliano quando chamou-nos a atenção para neste contato não “estuprar” mentalmente aquele a quem pretendemos levar o conhecimento.
    Tenho para mim que não podemos ser omissos, pois como disseste, certamente nos comprometemos com este processo planetário. Se nos afinizamos com estes assuntos, (ao ponto de nos atrairmos para o projeto do Círculo), e eles não são estranhos para nós é porque já tivemos contato com eles anteriormente, então estarmos encarnados neste momento planetário não é a toa, portanto precisamos honrar este nosso compromisso. Precisamos de massa critica e é assim que ela poderá ser formada. Por um MBM.

    Márcia Cruz Lima

  • oliveira_anselmo disse:

    Estou feliz e grato!

Faça seu comentário abaixo!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.