No final de 2016 eu estava vivendo um período muito bom para a minha vida pessoal e carreira profissional: filho recém nascido renovando o amor dentro de nosso lar, bons clientes, bom faturamento, realizações relevantes no campo profissional e pessoal. Tudo ia a contento, mas sentia falta de alguma coisa. Os desafios profissionais aos poucos deixavam de me interessar.

Eu sempre fui meio workaholic. A paixão pela realização dos meus projetos sempre me moveu, mas desde o primeiro documentário que fizemos ao lado da espiritualidade, as coisas ganharam uma nova dimensão. Minha vida estava muito bem, dentro dos padrões materiais e capitalistas, mas havia um cheiro de propósito que se insinuava todos os dias em minha mente. Eu fui seguindo este faro com determinação, fui sendo seduzido por ele, até que uma grande surpresa mudou tudo: numa discreta reunião mediúnica, fiquei cara a cara com as “mesas girantes”, tal qual aconteceu com o professor Hippolyte. Foi um marco que dividiu, literalmente, a história da minha vida. Era como se eu reencontrasse um caminho há muito tempo ignorado em meio as prioridades materiais do dia a dia. Depois disso, simplesmente já não fazia sentido usar as habilidades de comunicação que eu sabia que tinha para anunciar bens de consumo finitos, passageiros, efêmeros e relativos quando, por outro lado, ressoava dentro de mim um convite para tocar o infinito, permanente, eterno e absoluto. Mais ainda, anunciar realidades maiores capazes de causar impacto real na vida de tanta gente que de alguma forma também quer ir além do trivial, do cotidiano, do paradigma.

Foi quando desabafei de todo o coração com alguns espíritos amigos, na mesma reunião em novembro daquele ano: “Se eu pudesse, deixaria todos os meus outros projetos e me dedicaria somente a este trabalho”. Meus olhos estavam úmidos, meu peito apertado quando as lágrimas aqueceram e lavaram o meu rosto diante da resposta: “Em breve você irá!”. Foi o início de um processo que ressignificaria toda a minha vida.

Tenho a impressão de que quando temos claro dentro de nós qual caminho queremos trilhar, todos os ladrilhos necessários ao seu pavimento começam a aparecer por sincronicidade. As coisas fluem por fatos curiosos e, não raras vezes, surpreendentes. No início de 2018, tivemos a ousadia e a coragem de mudar tudo. A Pozati Comunicação passou a ser uma empresa 100% voltada a semear a liberdade integral do ser através do conhecimento e vivência de si e de realidades elevadas, na certeza de que o melhor ainda está por vir, lema que adotamos para esta nova fase. Então, surge o Círculo, renovam-se os projetos audiovisuais da Pozati Filmes, os eventos, as palestras e programas semanais, os livros, o aplicativo e nosso apoio irrestrito à Uniespírito. Tudo isso me deu um novo e real sentido para esta breve passagem pelo espaço-tempo terrestre.

Não é fácil romper com o conforto das conquistas já consolidadas para começar tudo de novo, do zero. Somos testados todos os dias em nossa determinação de trabalhar integralmente pela disseminação de propósitos elevados. Ora são dificuldades financeiras, ora o desânimo com as críticas pesadas, ora as tentadoras ofertas para voltar a fazer o que sempre fizemos, abandonando o idealismo que nos aviva. Mas para muito além de tudo isso, afirmo que há uma transformação em curso no planeta Terra, e eu vivo por ela, para ela. Não há um minuto do meu dia que eu não esteja pensando em como inspirar a transformação da realidade como a conhecemos numa realidade mais justa, mais solidária, mais fraterna, mais livre e feliz. Eu não tenho capacidade para revolucionar todos os campos do saber humano. Sou limitado, pequeno e ignorante para isso, mas se eu puder inspirar com o meu talento de comunicar a quem o seja capaz, serei a pedrinha que reverbera em todo o lago. E é isso que eu posso, quero e vou fazer. Quero provocar, inspirar, repensar e fazer pensar.

Cada um de nós tem um papel neste grande projeto rumo a uma Nova Terra. O caos aparente que toma conta da superfície do nosso planeta é mero espetáculo de ilusão para que a pauta dos verdadeiros interesses perca a sua relevância. Mas afirmo que não perderá! Eu vejo todos os dias novos e arrojados pensadores desafiando a forma como as coisas são feitas, propondo novos rumos, novas tecnologias, novas políticas e posturas.

E isso tudo só possível porque você entendeu, porque a mensagem que temos gritado aos quatro cantos tem encontrado abrigo e ressonância no seu coração, te levando a repensar a forma como as coisas são feitas na sua vida e ao redor dela. Gratidão, porque você tem entendido e apoiado tudo o que temos feito. Gratidão porque você tem se deixado mover para o bem.

E o que estava assentado sobre o trono disse:
“Eis que faço novas todas as coisas”
Ap 21, 5

E quanto a nós, reafirmo que levantamos de coração a bandeira da transição planetária, na nova era, das águas de aquário. Trabalhamos e trabalharemos com todas as nossas forças para que os alicerces do reino anunciado por Jesus sejam edificados e plenamente instalados nas estruturas da sociedade humana. Gritamos todos os dias VIVA O NOVO, na certeza irrestrita de que o melhor ainda está por vir.

Abraço grande! Sempre avanti!
Che questo è lá cosa piú importante!

Juliano Pozati

Quem escreveu Juliano Pozati

JULIANO POZATI É ESCRITOR, DOCUMENTARISTA E ENTUSIASTA DE NOVAS IDEIAS QUE INSPIREM A SUPERAÇÃO DE PARADIGMAS OBSOLETOS NAS ÁREAS DE CIÊNCIA, FILOSOFIA, ESPIRITUALIDADE E EXOCONSCIÊNCIA.

Mais posts de Juliano Pozati

Participe da discussão sobre esta aula Um comentário

  • concurseirocorujao disse:

    Parabéns Juliano !!! Acompanho o trabalho da Pozati Filmes desde antes do surgimento do Círculo e foi uma honra poder estar com vocês desde o nascimento deste projeto, mesmo que a distância !! Realmente é transformador, obrigado ! Nos vemos em Julho !!!

Faça seu comentário abaixo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WhatsApp chat