Quero um propósito para chamar de meu

bússola

Para mim, propósito só faz sentido se eu seguir a bússola do coração e o fluxo do meu tesão.

Hoje quero falar sobre começar a realizar. Botar o pé na estrada. Quando o conhecimento gera o movimento do autoconhecimento, a gente começa a buscar um caminho que faça sentido. E isso passa pela reflexão filosófica de: quem eu sou, de onde vim e para onde vou. Essas clássicas perguntas da filosofia são o início do processo e colocam a gente no eixo do realizar.

Não é um processo fácil, mas, em geral, muito bom. Vai trazendo um senso de caminhar. Quase sempre, áreas da vida que estão estagnadas trazem desconforto, pois somos seres em evolução.

Uma coisa que incomoda muito é não saber como começar.
E dai vem a hashtag  #queroumpropositoparachamardemeu

Eu não posso dizer onde está o seu propósito. Mas posso indicar alguns aspectos que considero importantes, a partir da minha experiência. Existe um mecanismo em que a gente cria dúvidas propositadamente para reforçar nossos medos e não viver o que dá sentido. Vamos negando nós mesmos, com dúvidas e receios porque no fundo não queremos partir para a modalidade coragem (agir com o coração).

Como superar suas dúvidas, medos e autoboicotes com coragem?

O segredo é o TESÃO! É força criativa para fazer as coisas. Agir de acordo com o que sente no coração nada mais é que o que te dá TESÃO.

Se ignoramos esse sentir que dá o quentinho no peito, fechamos a porta para a intuição e nos privamos de acessar uma força mais poderosa. O coração oferece a bússola interna que reflete em cada célula do nosso corpo.

A intuição é o que nos conecta com o plano divino. A melhor versão de nós mesmos está acessível dentro desse plano mental onde nos unimos com o Universo, com Deus, com o divino.

Quando nos permitirmos sentir e orientar pela bússola do coração, começamos a abrir as portas da intuição, onde somos influenciados pela mente do todo. O fluxo da energia criativa que move todas as coisas para cima. Assim, o que parecia etéreo, começa a se concretizar em atitudes práticas na vida.

Eu sempre fui de seguir o que me dá tesão. E muitas vezes esse processo não é racional. Mas se seguir esse aspecto transcendental que diz vai, experimenta, tenta, se joga, você vai perceber como as coisas se conectam.

Outro dia mesmo pensei em como o General Alfredo Moacyr de Mendonça Uchôa se tornou o principal orientador espiritual do Círculo. Quando eu estava fazendo o Documentário Data Limite, olhei o roteiro e pensei que precisava de militares falando. Como fiz pós-graduação em estratégia militar, liguei para um ex-professor e falei do projeto. Ele me indicou o General Paulo Uchoa (filho), de Brasília.  Eu fiz a pós em estratégia militar por influência de uma professora de planejamento estratégico da faculdade, e cursei graduação em marketing porque fiz segundo grau técnico em Publicidade e Propaganda e a matéria que mais gostava era marketing. Escolhi o técnico em publicidade porque desde pequeno adorava desenhar, criar, me comunicar. Observou como tudo se conecta de forma fluida? Ainda que a gente não entenda na hora.

Por isso, para mim, o que sempre fez sentido é seguir o fluxo do meu tesão. Daquilo que me faz sentir foda e realizado, que eu poderia fazer 24h sem reclamar. E você, o que te dá tesão?

Abraço grande,

Sempre avanti! Che questo è lá cosa piú importante!

Juliano Pozati


Leia mais sobre achar o seu propósito nesse outro artigo com dicas práticas: Quatro passos para identificar o propósito

Respostas

  1. As crenças limitantes reforçam o medo do novo e do desconhecido, né? E a “segurança” de permanecer onde se está aparenta ser melhor… Mas ao experimentarmos “agir com o coração”, ou seja, com coragem, a gente nunca se arrepende! Grata por nos fazer refletir, Juliano!!