Ser um Movimento Filosófico Livre e Espiritualizado

Entendemos que não estamos, não precisamos e nem devemos seguir sós no caminho evolutivo que enseja a iminente transição planetária, da qual nos vemos como dínamos empreendedores, segundo a mensagem do Mestre Yasha-Mil ao General Uchôa:

“Estamos procurando criar núcleos de interesse entre os terráqueos, para então, mais objetivamente, à forma que sabemos ser necessária, podermos diretamente trazer a nossa presença atuante para a melhoria tão necessária da condição humana atual. Pouco a pouco, vamos consolidando e realizando a sã política de encontrar humanos que sejam provas do nosso trabalho de amor, sem jamais lhes roubar o mérito que possuam. Sob o nosso influxo, haverão de irradiar concórdia, tolerância, amor, ao mesmo tempo que um cósmico dinamismo no FAZER.”

“Vocês, terráqueos, não estão sós nesse caminhar evolutivo. (…) Por isso, afirmamos que estamos aqui para ajudar, mas apenas ajudar, veja bem, à humanidade que quer ser ajudada, tendo condição de entrar em sintonia conosco. Então, poderão ter e receber o que possamos dar de nossa experiência realizada no mesmo caminho ascensional. A nossa caminhada só é bastante mais avançada…”

Mergulho no Hiperespaço
General Uchôa

Queremos ser um movimento, porque juntos nos identificamos com as atitudes novas que nascem em nosso interior a partir do conhecimento que acessamos. Queremos ser um movimento filosófico porque amamos o conhecimento, nas suas mais diversas fontes e expressões e o buscamos com todo o coração. Ser livres do medo, da culpa e de qualquer influência do institucionalismo religioso precisa ser a nossa marca, porque o conhecimento liberta e a liberdade permite conhecer ainda mais. Queremos ser espiritualizados porque reconhecemos na espiritualidade o eixo axiológico e fenomenológico em torno do qual toda a vida universal provém, se organiza e se eleva.

O conhecimento tem a sua expressão no movimento, e se é verdade que o conhecimento patrocina a libertação de nós mesmos, o movimento por ele gerado é livre. Ninguém é proprietário dele. Ele se move para transformar o que carece de transformação em nosso mundo. Ele se move por onde quer. “O vento sopra onde quer, você ouve o ruído, mas não sabe de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do espírito”.  Assim é o movimento, a varrer a face da Terra gerando a transformação de que ela necessita em todos os setores da nossa civilização.

O universo é mente: ele está na mente do Todo. O TODO é espírito. É o nome dado pelos homens a sua mais elevada concepção da INFINITA MENTE VIVENTE, DA ESSÊNCIA REAL.

O Caibalion

O objetivo do movimento é inaugurar no seio da civilização terrestre o desenrolar do último capítulo do Livro do Apocalipse, segundo a mediunidade do apóstolo João. O movimento é a ressonância da voz do Cristo Planetário ao declarar: “Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 22). O movimento, através dos seus membros espalhados pelos mais diversos países, áreas de atuação, organizações e empresas, grupos étnicos e classes sociais, é o dínamo que empreenderá a civilização exoconsciente, levando a transformação a partir do mais alto ideal humano a todas as expressões da nossa sociedade. “Sob o nosso influxo, haverão de irradiar concórdia, tolerância, amor, ao mesmo tempo que um cósmico dinamismo no FAZER.”

Cada consciência bafejada pelo sol da razão será interpretada, assim, à conta de raio na esfera da vida, envolvendo da superfície para o centro, competindo-lhe a obrigação de respeitar e promover, facilitar e nutrir o bem comum, atitude espontânea que lhe valerá o auxílio natural de todos os que lhe recolhem a simpatia e cooperação.

Com semelhante atitude, cada Espírito plasma os reflexos de si mesmo, por onde passa, abrindo-se aos reflexos das mentes mais elevadas que o impulsionam à contemplação de mais vastos horizontes do progresso e à adequada assimilação de mais altos valores da vida.

Emmanuel – Pensamento e vida – Cap. Dever