Carrinho

A primeira coisa que a gente precisa deixar de lado é o sentimento de culpa. Ela foi introduzida para gerar certo controle sobre as pessoas, que se culpavam ao cometer algum pecado. Sinta-se responsável por aquilo que você faz, mas não culpado por fazer. Tenha consciência do que você fez e analise se está de acordo com as condutas éticas e morais da sociedade em que você se encontra, mas não sofra por culpa. Assuma as rédeas da responsabilidade, apenas isso.

Se você ainda tem dúvida, vamos refletir sobre as frases abaixo:

  • Culpa é passiva. Responsabilidade é ativa.
  • Culpa estaciona. Responsabilidade age.
  • Culpa é negativa. Responsabilidade é positiva.
  • Culpa destrói. Responsabilidade constrói.
  • Quem vive em culpa está doente. Quem assume a responsabilidade caminha em direção à cura.

Então, deixe de agir com culpa e assuma a responsabilidade.

Não pense que é fácil. São muitos anos de culpa introjetados na humanidade, mas assumir a responsabilidade e entrar em ação de reparação demonstra maturidade real e uma vontade de crescer, aprender e se redimir. Redirecionar as energias para a responsabilidade representa uma economia de energia vital imensa que, na maioria das vezes, era gasta com a estagnação gerada pela culpa.

O medo é outra arma que também pode ser usada contra você. Quando vibramos no medo atraímos exatamente aquelas energias que tememos. Perceba os sinais de alerta que você recebe, mas não sinta medo. Acredite e confie nas proteções que você tem.

Outra dica importante que quero passar aqui é: conheça e analise o seu medo para poder desconstruí-lo. Isso mesmo! Desconstruir o medo é uma dádiva. Você tem medo de que? Da morte, de ficar sem dinheiro, de passar fome, de ficar sozinho? Ou tem medo de ficar doente, de perder o emprego, do desconhecido, da verdade? Faça essa reflexão. Analise o que te dá medo e reflita se:

a) É realmente medo que você sente?
b) Você precisa sentir medo disso?
c) O que você pode fazer para transformar esse medo?

Se depois de tudo isso você ainda sentir medo, acolha e respeite esse sentimento, mas não vibre na sintonia do medo. Entenda que você precisa estar alerta, mas não baseie a sua vida em torno dele. Foque naquilo que te faz forte.

O autoconhecimento é a grande chave pra gente se livrar dos sentimentos de culpa e medo. Aqui vale sim destacar a máxima: “Conhece-te a ti mesmo”. É isso. Devemos nos conhecer para podermos nos aprimorar ética e moralmente e, consequentemente, criar um mecanismo de autodefesa, pois aquele que conhece os seus medos e se responsabiliza pelas suas atitudes, consegue se precaver de ataques internos e externos.

“Conhece-te a ti mesmo” e desvende os mecanismos internos e externos de culpa e medo para que possa levar uma vida mais leve e segura de si, sendo responsável pelos seus próprios atos e as suas consequências.

Fábio Nasa

Autor Fábio Nasa

Mais posts de Fábio Nasa

Participe da conversa 2 Comentários

  • mcruzlima2004 disse:

    Concordo plenamente!
    Culpa é uma palavra no dicionário. Pelo menos é como penso que deve ser, afinal ela só serve para estagnar-nos, então, para mim, ela não serve. Que ela continue no dicionário. Faz muito tempo que optei por apropriar-me da palavra Responsabilidade que está diretamente relacionada a Consciência, e este sim é o Movimento para este Terceiro Milênio.
    Márcia Cruz Lima

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.